Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar sua experiência. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais.

Qual é o futuro dos laboratórios de análises clínicas? Descubra agora!

Qual é o futuro dos laboratórios de análises clínicas? Descubra agora!

Inúmeras previsões sobre o futuro dos laboratórios de análises clínicas e de suas subespecialidades, gerais e específicas, já foram feitas.

Por isso, vamos apresentar uma visão geral das previsões anteriores que já se tornaram realidade e algumas previsões futuras que deverão desempenhar um papel crítico nesta especialidade.

Para o futuro, cada uma dessas previsões tem mérito e muitas já se tornaram realidade. Mais recentemente, a medicina laboratorial tem sido caracterizada por chavões como nanotecnologia, biossensores, genômica, proteômica e microchips.

Quer saber qual é o futuro dos laboratórios? Então confira agora mesmo o conteúdo que preparamos para você!

Saiba mais sobre o futuro dos laboratórios de análises clínicas

Saiba mais sobre o futuro dos laboratórios de análises clínicas

Os futuristas prevêem um mundo que será dominado por redes de laboratórios que serão formadas como resultado da consolidação de laboratórios.

O número de laboratórios vai reduzir, impulsionado pela terceirização de serviços laboratoriais, a competição entre laboratórios para o trabalho hospitalar e a mercantilização dos exames laboratoriais.

Maior ênfase será colocada na reorientação dos serviços de laboratório para segmentos específicos da população, como os idosos. Hematologia, medicina de transfusão, bioquímica e imunologia serão unificadas como “ciências do sangue”.

Espera-se que a equipe do laboratório lide com o gerenciamento da demanda e seja responsável por fornecer serviços consultivos adicionais relacionados aos testes laboratoriais.

O papel futuro dos laboratórios será mais voltado para o controle de qualidade, reduzindo os erros laboratoriais, eliminando testes desnecessários e focando nos desafios da harmonização global.

Duas tendências simultâneas parecem estar surgindo neste campo. Um é a consolidação dos testes laboratoriais tradicionais e o segundo é o novo mercado em expansão para testes próximos ao paciente.

A contenção de custos e a operação econômica de laboratórios serão uma questão importante para os laboratórios no futuro.

Já existe uma tendência de unificar hospitais independentes em sistemas de saúde e de consolidar laboratórios especializados em um modelo de laboratório central.

Laboratórios com esse perfil também estão sendo desenvolvidos em diversos lugares do mundo como, por exemplo, no Canadá e no Reino Unido.

A falta de profissionais para trabalhar nos laboratórios continuará sendo uma fonte de preocupação. Medidas que poderiam ser usadas para lidar com essa escassez podem incluir a redução das necessidades de pessoal por meio da consolidação e automação.

Os especialistas propõem a possibilidade de terceirizar os serviços de laboratórios de análises clínicas para países com serviços igualmente sofisticados, mas com custos mais baixos.

Existem programas de qualidade em funcionamento, como o credenciamento ISO (The International Standards Organization), CAP (College of American Pathologists) e a certificação CLIA (Clinical Laboratory Improvement Amendments) para garantir que os padrões globais sejam atendidos.

Também houve uma maior migração de testes para o ponto de atendimento e, no futuro, isso poderia resultar na redução da dependência de laboratórios hospitalares, bem como ajudar na redução dos volumes de testes em hospitais e laboratórios regionais.

Os testes caseiros também podem desempenhar um papel na redução dos volumes de teste em laboratórios.

Os pacientes hoje estão muito mais informados devido à disponibilidade de informações sobre doenças e diagnósticos.

Recursos online agora fornecem informações abrangentes aos pacientes sobre testes laboratoriais específicos. Acredita-se que pacientes mais bem informados vão acabar reduzindo o custo dos testes laboratoriais.

Confira a seguir alguns dos principais pontos sobre o futuro dos laboratórios de análises clínicas!

Automação laboratorial

A robótica laboratorial é uma das previsões mais populares. O uso de modelos de transporte para entregar espécimes e o uso de tecnologia humanóide parecem ser um conceito fascinante em medicina laboratorial, mas ainda não se tornou uma realidade.

Por enquanto, as capacidades dos robôs humanóides permanecem limitadas, e o processo de automação e robótica tem sido bastante lento em áreas específicas de laboratório, como microbiologia, patologia molecular e patologia anatômica.

A automação se desenvolveu, mas através da utilização de softwares que permitem uma comunicação mais eficaz entre analisadores, sistemas de informação e prontuários eletrônicos.

Acredita-se que a demanda por automação e robótica continuará crescendo, devido à necessidade de laboratórios mais econômicos.

O envelhecimento da população e a escassez já existente neste campo também destacam a necessidade de soluções alternativas.

Assim, embora a robótica ainda tenha um longo caminho a percorrer, não é totalmente absurdo esperar que, no futuro, as máquinas possam desempenhar um papel importante nos laboratórios.

Pontos de atendimento estratégicos

Muitos especialistas acreditam firmemente que o futuro da medicina laboratorial estará inclinado para mais testes em pontos de atendimento estratégicos, ou seja, perto do paciente.

Também envolveria a integração de testes em pontos de atendimento específicos em estratégias de gerenciamento de pacientes, vias de atendimento e mais testes em casa.

O teste em pontos de atendimento estratégicos oferece vários benefícios, incluindo baixo custo, portabilidade, simplicidade, flexibilidade e controle de qualidade integrado.

As previsões sugerem que dispositivos manuais podem ser usados ​​para monitorar os principais patógenos infecciosos.

A introdução de dispositivos vestíveis já é um passo nessa direção. Os telefones podem ser usados ​​para realizar análises usando módulos de plug-in.

Embora os smartphones ainda não sejam usados ​​tão extensivamente quanto previsto inicialmente, ainda existem muitos usos para eles, incluindo tirar fotos de slides e tecidos, realizar testes colorimétricos, fornecer análise de dados a bordo e assim por diante

A tecnologia móvel deve desempenhar um papel importante na medicina laboratorial no futuro, especialmente em regiões remotas e com poucos recursos.

Telepatologia

A telepatologia já está em uso em alguns laboratórios clínicos e seu uso para interpretação manual de contagens sanguíneas diferenciais agora é rotina.

No entanto, a telepatologia não é usada rotineiramente em patologia cirúrgica, e os sistemas de digitalização de lâmina digital para o diagnóstico primário de patologia cirúrgica não obtiveram aprovação.

Prevê-se que smartphones, tablets e outros dispositivos móveis podem se tornar o centro da medicina no futuro e a telessaúde será um componente importante à medida que mais aplicativos de telessaúde forem desenvolvidos.

Caminhos para a implementação de patologia digital e software médico vêm sendo criados, fornecendo orientações regulatórias e, portanto, é seguro dizer que os sistemas de imagem facilitarão as interpretações de slides no futuro e também irão incorporar testes e interpretação de patologia cirúrgica.

Genômica

Espera-se que a genômica seja muito visível no futuro, tanto para empresas farmacêuticas quanto para serviços de laboratórios.

Haverá amplo uso de sondas de DNA, triagem genética neonatal, monitoramento de carga viral, ensaios de diagnóstico de SNP de alta densidade, detecção eletroquímica de agentes infecciosos, mutação genética, análise e perfil de gene e proteína e muito mais.

Novos testes diagnósticos também devem ser desenvolvidos com a conclusão do projeto do genoma humano.

O perfil de expressão teve sucesso limitado até o momento e não se espera que substitua o diagnóstico histológico e os sistemas tradicionais de classificação de câncer, mas é considerado um teste auxiliar.

Os testes de DNA devem se tornar prontamente disponíveis no futuro, e grandes estudos clínicos são esperados para fornecer informações sobre a ligação entre a sequência de DNA e a doença.

Proteômica

Acredita-se que a proteômica seja a base para futuros testes diagnósticos. Espera-se que sejam desenvolvidos sistemas analíticos capazes de testar centenas e milhares de proteínas diferentes.

Existem entre 250.000 e 1.000.000 de proteínas nas células humanas. Muitas delas permanecem não estudadas, mas no futuro, elas podem servir de base para um novo teste diagnóstico.

A maioria das previsões sobre a medicina laboratorial são otimistas e são voltadas para o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes, erradicação de doenças e vidas mais longas.

É importante lembrar, porém, que fazer previsões não é uma ciência exata e há muitas previsões anteriores que ainda não se materializaram.

No entanto, um exame do futuro ajuda no processo de planejamento e permite que as equipes de gerenciamento desenvolvam habilidades e adquiram recursos que podem potencialmente levá-los a tornar essas previsões uma realidade.

Gostou de saber mais sobre qual será o futuro dos laboratórios? Então descubra agora como seguir processos em laboratórios de análises clínicas!

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias: