6 boas práticas para o manuseio de amostras biológicas

6 boas práticas para o manuseio de amostras biológicas

Em meio aos inúmeros processos que compõem a rotina de operações de um laboratório, o correto manuseio de amostras biológicas deve estar entre as principais preocupações dos colaboradores, gestores e demais membros da empresa.

A manipulação de amostras biológicas é um processo sensível, visto que qualquer tipo de inadequação nos métodos de manuseio, equipamentos e recipientes tem o condão de alterar os resultados de análises, reduzindo a exatidão dos procedimentos e expondo a empresa a riscos de erros e prejuízos à sua imagem.

Por esse motivo, é muito importante preparar a equipe do laboratório para que as amostras sejam devidamente manipuladas, obedecendo todo o rigor técnico necessário para que não ocorram falhas, riscos de contaminação ou outros problemas.

Dada a importância desse tema, a seguir listamos 6 boas práticas que ajudarão o seu laboratório a manusear da forma mais segura as suas amostras biológicas. Acompanhe!

Utilizar os materiais adequados no manuseio de amostras biológicas

1. Utilizar os materiais adequados no manuseio de amostras biológicas

A fase pré-analítica dos exames laboratoriais tem uma influência significativa sobre a qualidade e exatidão dos procedimentos. É nessa fase que todas as precauções devem ser tomadas para garantir a máxima eficiência na obtenção das amostras.

Nesse contexto, é de suma importância que o laboratório empregue os equipamentos, recipientes, embalagens e demais instrumentos da forma adequada. Isso porque, quando se trata da análise de materiais biológicos, todo tipo de variável pode ser suficiente para alterar os resultados dos exames, causando grandes transtornos ao paciente, sobretudo quando uma informação incorreta é passada.

Por isso, o laboratório deve estar sempre atento à qualidade dos materiais utilizados nas coletas e ao manuseio das amostras. Por exemplo, é fundamental que o ambiente seja preparado para tal finalidade, assim como os profissionais que realizam as análises utilizem os itens necessários, como luvas, máscaras, instrumentos esterilizados etc.

Realizar a devida identificação das amostras2. Realizar a devida identificação das amostras

Um dos erros mais comuns e graves que ocorrem no dia a dia de operações de laboratórios é a falta de identificação ou, até mesmo, fazê-la incorretamente. Esse tipo de ocorrência pode gerar grandes transtornos para a empresa, como retrabalho, desorganização e, no pior dos casos, erros nas análises e entrega de resultados.

A etapa de identificação das amostras é de suma relevância para todos os processos que ainda serão realizados. Por isso, ela deve ocorrer logo na primeira interação com o paciente, recolhendo-se todas as informações necessárias para o correto manuseia da amostra e a prevenção de eventuais falhas.

Padronizar processos3. Padronizar processos

Diariamente, um laboratório pode ser submetido a inúmeros pedidos de análises de materiais biológicos. Atender a toda essa demanda exige uma certa sistematização das atividades, a fim de torná-las mais ágeis, seguras e eficientes.

Nesse sentido, a padronização de processos é uma medida crucial também no manuseio de amostras biológicas. Isso porque ao estabelecer uma sequência lógica de procedimentos, a qual todos os colaboradores estão habituados e preparados para executar, a probabilidade de falhas, como a não aplicação de algum cuidado específico, é atenuada.

Ambientes em que a padronização não está presente, todos os processos acabam se tornando mais suscetíveis aos erros humanos, colocando em risco toda a estrutura dos serviços prestados, desde a fase de coleta da amostra até a entrega do resultado ao paciente.

Estar atento às variações cronobiológicas4. Estar atento às variações cronobiológicas

Como se sabe, grande parte dos materiais retirados do corpo humano sofre algum tipo de alteração em decorrência do transcurso do tempo. Logo, estar atento a esse quesito é outro cuidado fundamental no manuseio de amostras biológicas.

A variação cronobiológico deve ser avaliada em diversos aspectos do processo. Por exemplo, se for necessário o transporte da amostra de um local para outro é preciso considerar se o tempo de deslocamento não afetará a qualidade e, por consequência, não será necessário algum método específico de acondicionamento para preservar a integridade do material.

No mesmo sentido, o laboratório deve estar devidamente organizado para que consiga realizar todos os procedimentos dos pacientes em tempo hábil, considerando sempre o tempo de armazenagem do material biológico.

Implementar uma soroteca eficiente5. Implementar uma soroteca eficiente

Como dito, um laboratório pode receber inúmeras demandas todos os dias. Por isso, organizar toda a estrutura do ambiente para lidar com as informações de diferentes pacientes relacionados a diversos procedimentos exige um grande esforço por parte dos gestores, líderes e também dos colaboradores.

Com uma grande quantidade de amostras para armazenar, o laboratório deve dispor de uma infraestrutura robusta capaz de organizá-las de forma a facilitar o posterior acesso. Essa infraestrutura é conhecida como soroteca, que funciona como uma biblioteca de amostras.

Na rotina de operações, a soroteca economiza um tempo valioso dos colaboradores, permitindo, por exemplo, a repetição de um exame sem grandes complicações. Além disso, o reforço na organização das amostras ajuda o laboratório a ser mais eficiente ao reduzir a possibilidade de erros, como descarte equivocado.

Realizar a acreditação laboratorial6. Realizar a acreditação laboratorial

Essa é uma das práticas que mais contribui para o sucesso do laboratório no que se refere ao manuseio de amostras biológicas. O motivo disso é que o processo de acreditação laboratorial é bastante sistêmico, comportando avaliações de qualidade em diferentes frentes do empreendimento.

De maneira geral, a acreditação é o caminho para que o laboratório seja certificado como uma empresa em que há um alto grau de eficiência nos processos, seguindo os padrões reconhecidos pelos órgãos competentes e, também, as legislações e regulamentações pertinentes a esse ramo de atuação.

Em outras palavras, um laboratório acreditado é aquele que atua em conformidade com as melhores práticas e regulamentações do setor, obedecendo aos padrões nacionais e internacionais de biossegurança, por exemplo, no que se refere ao manuseio de materiais biológicos, microbiológicos, químicos, imunológicos e muito mais.

Dito isso, fica claro que realizar a acreditação laboratorial é, também, uma medida estratégica para otimizar o manuseio de amostras biológicas. Afinal, o processo de auditoria realizado no estabelecimento atesta a qualidade da sua infraestrutura.

Por fim, como foi possível perceber, o correto manuseio de amostras biológicas não exige nenhum esforço sobre-humano por parte dos membros do laboratório. No entanto, ações diárias e algumas simples medidas, como a utilização de um bom software de gestão laboratorial, podem otimizar essa tarefa na sua empresa.

Gostou deste artigo? Então, o que acha de continuar se informando e entender por que seguir o código de ética para laboratórios de análises clínicas? Confira!

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias: