O‌ ‌que‌ ‌mudou‌ ‌na‌ ‌rotina‌ ‌dos‌ ‌laboratórios‌ ‌após‌ ‌pandemia‌ ‌do‌ ‌novo‌ ‌coronavírus?‌

O‌ ‌que‌ ‌mudou‌ ‌na‌ ‌rotina‌ ‌dos‌ ‌laboratórios‌ ‌ após‌ ‌pandemia‌ ‌do‌ ‌novo‌ ‌coronavírus?‌

Após o início da pandemia causada pelo novo coronavírus, todos nós tivemos as nossas rotinas alteradas devido ao alto risco de contaminação pela covid-19 – e nos laboratórios de análises clínicas não têm sido diferente.

As necessidades extraordinárias provocam mudanças de previsões e de direção, ou seja, as decisões sobre os processos de trabalho e sobre os cuidados com a saúde têm sido tomadas diariamente. 

Alguns laboratórios de análises clínicas estão passando por uma sobrecarga diante do pico da pandemia do novo coronavírus, enquanto outros, mesmo não oferecendo os testes para o diagnóstico da doença, precisam lidar com ajustes essenciais para a manutenção do seu funcionamento.

Por isso, se você quer saber mais sobre o que mudou na rotina dos laboratórios após pandemia do novo coronavírus, confira o conteúdo que preparamos para você!

O que é a pandemia do novo coronavírus?

O que é a pandemia do novo coronavírus?

Em meados do mês de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou como pandemia a covid-19.

A covid-19 é uma doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Ela foi detectada pela primeira vez na cidade de Wuhan, na China, e rapidamente se espalhou entre diversos países do mundo, inclusive no Brasil. 

Para uma doença ser classificada como pandemia, o número específico de casos independe. O que é levado em consideração é o fato de uma doença infecciosa atingir um grande número de pessoas espalhadas pelo mundo. Inclusive, a Organização Mundial da Saúde (OMS) evita usar com frequência este termo a fim de não causar pânico ou a sensação de que a enfermidade não pode ser controlada e que o problema não pode ser resolvido.

Desde então, inúmeros estudos científicos estão sendo produzidos por diversos países em busca de entendermos mais sobre o comportamento do vírus, a disseminação, a letalidade, as possíveis formas de tratamento e, principalmente chegarmos até as vacinas.

Enquanto isso, o mundo sofre com os impactos da crise nos setores da saúde, econômico, político e social. E, com cenário tão incerto, diversas medidas vêm sendo tomadas diariamente de forma dinâmica pelos governos de diferentes países.

Dado o contexto, é fundamental que as rotinas laboratoriais também se adaptem. Se você quer saber mais sobre as principais mudanças nos laboratórios de análises clínicas após a pandemia do novo coronavírus, acompanhe a seguir.

O que mudou na rotina dos laboratórios após pandemia do novo coronavírus?

O que mudou na rotina dos laboratórios após pandemia do novo coronavírus?

Os laboratórios de análises clínicas de todo o país, tanto os laboratórios públicos quanto os privados, estão desempenhando uma função essencial no combate contra a pandemia causada pelo novo coronavírus. 

Durante este enfrentamento, diversos métodos e procedimentos estão sendo validados para atender às demandas de diagnóstico da covid-19.

Mas, ao mesmo tempo em que os ajustes necessários são postos em prática, é fundamental que os laboratórios de análises clínicas adaptem às suas rotinas para que a execução dos exames se mantenha sem comprometer a segurança e a saúde dos profissionais que trabalham no estabelecimento.

Mesmo após a instituição das medidas de isolamento social, além de oferecer a possibilidade para que os pacientes busquem realizar os testes para verificar ou confirmar casos de infecção pelo novo coronavírus, os laboratórios de análises clínicas permanecem atendendo às demais demandas de realização de exames diversos.

Sendo assim, é essencial que os laboratórios de análises clínicas se orientem e se adequem para que seja possível oferecer aos pacientes o melhor atendimento e ainda garantir a segurança de toda a sua equipe. Por isso, confira a seguir algumas dicas que poderão te ajudar.

O atendimento ao paciente

De acordo com a estrutura e condições do laboratório, caso seja possível, o ideal é dar preferência ao atendimento domiciliar. Especialmente em caso de pacientes idosos, com comorbidades ou com suspeita de infecção pelo novo coronavírus.

Além disso, a equipe de coleta deve receber todos os equipamentos de proteção individual – como toucas descartáveis, óculos de proteção ou protetor facial, máscaras cirúrgicas descartáveis para que possam trocar sempre que estiverem úmidas, avental impermeável de mangas longas, luvas de procedimento, entre outros. 

Para que os pacientes possam esclarecer dúvidas e obter informações sem precisar comparecer aos estabelecimentos, é fundamental que o laboratório de análises clínicas disponibilize canais de comunicação diversos e eficientes – como telefone, e-mail, chat, Whatsapp, entre outros).

É muito importante também que os laboratórios tenham meios seguros para disponibilizar eletronicamente os resultados e laudos bioquímicos.

O acesso ao laboratório, caso haja necessidade, deve ser limitado a fim de manter o distanciamento mínimo entre os pacientes, principalmente em horários de maior movimento.

É recomendado que o laboratório adote um plano de contingência para que o monitoramento de qualquer caso suspeito seja realizado. 

Os pacientes que apresentam quaisquer sinais de infecção respiratória – como tosse, espirro, dor de garganta ou febre – deverão ser atendidos em salas distintas, por precaução.

Alguns cuidados com o fluxo de pacientes são essenciais, confira a seguir algumas recomendações: 

  • Casos de pacientes sem suspeitas de infecção: os pacientes podem ser mantidos em uma fila comum respeitando o distanciamento recomendado de, pelo menos, dois metros;
  • Casos de pacientes com suspeitas de infecção: os pacientes com suspeitas de infecção devem ser atendidos imediatamente, máscaras cirúrgicas descartáveis devem ser fornecidas à eles e o atendimento e coleta devem acontecer em um ambiente exclusivamente destinado para pacientes com este perfil;
  • Casos de pacientes idosos ou que pertençam ao grupo de risco: aos pacientes idosos ou que pertençam ao grupo de risco é recomendado o fornecimento de máscaras descartáveis, o atendimento preferencial e o distanciamento de, pelo menos, dois metros;
  • Casos de pacientes com confirmação de covid-19: aos pacientes com confirmação de contaminação pelo novo coronavírus é fundamental o fornecimento de máscaras cirúrgicas descartáveis, que o profissional responsável pela coleta adote as medidas de segurança necessárias e que, preferencialmente, o atendimento seja domiciliar.

Adequações recomendadas

Talvez o seu laboratório de análises clínicas já cumpra todas as adequações indicadas para o atendimento ao paciente durante o enfrentamento da pandemia, mas é importante que saiba que as principais recomendações são:

  • Disponibilizar pias para higiene das mãos e álcool 70% nos acessos ao laboratório e nas salas de coleta;
  • Organizar o acesso dos pacientes por diferentes categorias;
  • Providenciar cartazes informativos para orientar os pacientes sobre etiqueta respiratória, boas maneiras e práticas para evitar a contaminação;
  • Providenciar a demarcação dos pisos e das cadeiras para garantir o distanciamento mínimo entre os pacientes – dois metros;
  • Reforçar a rotina de limpeza de todas as áreas, em especial, das áreas comuns;
  • Adotar o uso de mecanismo de barreira física, como o vidro, e manter maior distanciamento entre o atendente do balcão e os pacientes;
  • Retirar do ambiente quaisquer bebedouros de uso direto;
  • Além de cumprir as rotinas habituais relacionadas a biossegurança, é importante que os materiais das salas de coletas, como cadeiras e bancadas, sejam higienizados com álcool 70% após a coleta de cada paciente;
  • Se possível, evite o uso do ar condicionado e mantenha o ambiente aberto e bem ventilado;
  • Por ser um agente biológico e o seu resíduo contaminado estar na classe de risco 3, a periodicidade da coleta dos recipientes de resíduos biológicos comuns das salas de espera e dos banheiros deve ser aumentada.

Cuidados com a segurança da equipe

É muito importante que toda a equipe do laboratório de análises clínicas receba a vacina contra a Influenza. Além disso, qualquer profissional que apresentar quaisquer sintomas da covid-19 deverá ser afastado de suas atividades imediatamente.

Em situações como esta, os sintomas deverão ser acompanhados e, de acordo com a evolução dos mesmos, o teste para a covid-19 deverá ser realizado. Os casos confirmados deverão ser mantidos em isolamento por pelo menos 14 dias e o retorno às atividades é recomendado apenas após a testagem negativa para o novo coronavírus.

Além disso, toda a equipe do laboratório deve ser treinada para que reforcem a adoção de medidas de segurança e higiene. Entre as principais estão: 

  • lavar as mãos com maior regularidade;
  • aumentar o espaço de distanciamento físico, não apenas entre os profissionais e os pacientes, mas também entre si;
  • evitar o compartilhamento de dispositivos e materiais, como por exemplo as canetas;
  • evitar tocar em quaisquer superfícies sem necessidade;
  • revezar o uso dos espaços comuns, como a copa ou banheiros;
  • Intensificar o uso dos equipamentos de proteção individual de acordo com as recomendações para cada área.

Mais do que nunca, tendo em face o avanço da pandemia causada pelo novo coronavírus, é preciso aprendermos a nos adaptar e buscar sempre pelos melhores e mais confiáveis processos. 

Somente desta forma o seu laboratório de análises clínicas será capaz de mitigar os efeitos causados pela pandemia da covid-19 e entregar o melhor resultado possível durante o enfrentamento e combate à doença.

Gostou de saber mais sobre o que mudou na rotina dos laboratórios após pandemia do novo coronavírus? Então não deixe de conferir o nosso webinar sobre gerenciamento de riscos e gestão de crises em laboratórios de análises clínicas!

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias: