Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar sua experiência. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais.

O que é CIPA para laboratórios de análises clínicas?

O que é CIPA para laboratórios de análises clínicas?

Os laboratórios de análises clínicas podem ser locais muito perigosos para se trabalhar devido ao uso de substâncias potencialmente perigosas e à exposição a danos físicos.

Além disso, muitos profissionais que trabalham em laboratórios estão sozinhos em alguns momentos, aumentando o risco. A importância desta questão é sublinhada pelo fato de que existem regulamentos que regem a segurança em laboratórios.

Entretanto, ainda existe a possibilidade da formação de uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, a CIPA. Sendo assim, além de explicar o que é a CIPA, vamos abordar uma visão geral dos diferentes perigos que os trabalhadores de laboratório podem ter que enfrentar e também as principais etapas e dicas que você pode seguir para controlar esses perigos e incentivar a segurança no trabalho

Por isso, se você quer saber mais sobre o que é CIPA para laboratórios de análises clínicas, confira o conteúdo sobre o tema!

O que é CIPA para laboratórios de análises clínicas?

O que é CIPA para laboratórios de análises clínicas?

Em atendimento à legislação brasileira, todos os laboratórios de análises clínicas contam com Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, a CIPA, que representa todos os profissionais e tem um papel fundamental na adoção de medidas de segurança e saúde no ambiente de trabalho, incluindo auditorias, inspeções de instalações, treinamentos e desenvolvimento.

Um laboratório pode ser uma fonte de riscos significativos à saúde e à segurança. Alguns desses riscos são menores, mas outros podem ameaçar vidas. O primeiro passo para a segurança do trabalho no laboratório é identificar os diferentes perigos que os trabalhadores podem enfrentar.

Cada ambiente de laboratório apresenta um conjunto único de perigos, incluindo riscos químicos, biológicos, físicos e radiológicos. Confira a seguir alguns dos principais riscos!

Riscos químicos

Conheça os perigos dos produtos químicos com os quais está trabalhando! Antes de usar um produto químico com o qual você não está familiarizado, consulte a folha de descrição ou outras referências apropriadas.

Suponha que os materiais desconhecidos sejam tóxicos e que uma mistura seja mais tóxica do que seu composto original.

Minimize a exposição a todos os produtos químicos, independentemente da toxicidade ou de sua familiaridade. A maioria dos produtos químicos de laboratório não foi totalmente caracterizada quanto à sua toxicidade.

É prudente implementar procedimentos que minimizem a probabilidade de exposição. O contato com a pele deve sempre ser evitado. Evite a inalação de produtos químicos e nunca “cheire” para testar os produtos químicos.

Os laboratórios usam muitos produtos químicos perigosos. Existem cerca de 400 produtos químicos que as pessoas que trabalham em laboratórios podem encontrar. A seguir estão alguns dos produtos químicos que apresentam riscos específicos:

  • Carcinógenos podem causar câncer;
  • As toxinas podem causar danos de curto ou longo prazo ao sistema nervoso, bem como ao fígado e aos rins;
  • Irritantes podem causar inflamação dos olhos, pele, membranas mucosas ou trato respiratório. Essa inflamação é normalmente reversível, mas esses efeitos não devem ser ignorados e devem ser tratados imediatamente, se experimentados;
  • Os corrosivos danificam a pele ao entrar em contato. Em muitos casos, os danos podem ser bastante graves.

Quem trabalha com produtos químicos deve usar todo o equipamento de segurança, incluindo luvas e óculos, em todos os momentos e seguir todas as instruções corretamente.

Para manter a segurança do laboratório, os funcionários devem procurar ativamente todos os rótulos, placas, entre outros, e lê-los. Eles sempre devem obedecer a quaisquer avisos, mesmo que pareçam mais cautelosos do que o necessário.

Perigos biológicos

Os profissionais de laboratório que trabalham com amostras de cultura, tecido biológico e fluidos corporais, incluindo sangue, enfrentam regularmente riscos biológicos. Eles podem até precisar lidar com a contaminação de colegas de trabalho.

Muitos desses riscos biológicos podem resultar em um perigo para a saúde pública se não forem gerenciados adequadamente. Os agentes biológicos perigosos incluem exemplos, como:

  • O antraz é uma doença altamente infecciosa transmitida pela bactéria Bacillus Anthracis devido ao contato constante com animais infectados ou produtos contaminados. O antraz pode resultar em doenças do sangue, pneumonia e, no pior dos casos, morte;
  • A gripe aviária é uma doença altamente contagiosa transmitida de aves selvagens para aves domésticas e depois para humanos;
  • O botulismo é uma neurotoxina potencialmente letal encontrada em alimentos conservados;
  • A peste ou peste pneumônica, encontrada principalmente em animais, causada pela Yersinia Pestis é altamente contagiosa e perigosa.

Novamente, óculos, toucas, máscaras e luvas são pertinentes à segurança do laboratório e, assim como os profissionais precisam destes e outros materiais ao trabalhar com produtos químicos, eles também são necessários para trabalhar com agentes biológicos.

Ao trabalhar com agentes biológicos, os profissionais do laboratório devem sempre manter as mãos especialmente longes da boca, nariz e olhos.

Sempre use lenços, compressas de gaze ou toalhas de papel para absorver qualquer derramamento e desinfete o local de derramamento adequadamente conforme as necessidades de cada um.

Além disso, os materiais sempre devem ser descartados usando recipientes de risco biológico apropriados.

Riscos físicos

O trabalho do laboratório de análises clínicas, muitas vezes, também pode causar riscos físicos. Alguns exemplos das diferentes causas de lesões e acidentes são:

  • Estresses ergonômicos ou musculoesqueléticos podem causar lesões ao fazer a mesma ação repetidamente. Por exemplo, inclinar-se sobre microscópios ou teclados, pipetagem frequente e ficar em pé por longos períodos pode inflamar ou rasgar os músculos e causar a compressão dos nervos;
  • A poluição sonora é comum em laboratórios, pois podem conter grandes equipamentos que operam em altas velocidades. Isso pode resultar em irritabilidade temporária e concentração reduzida, mas também pode causar problemas mais prejudiciais e mais duradouros, como depressão e perda auditiva;
  • Equipamentos e materiais de alto risco, como autoclaves e esterilizadores, centrífugas, gases comprimidos, criogênicos e gelo seco, apresentam muitos riscos à segurança física e devem ser utilizados com cautela;
  • Acidentes típicos, como incêndio ou problemas elétricos, tropeços, escorregões e quedas estão sempre potencialmente presentes em laboratórios.

Novamente, junto com os equipamentos de segurança citados anteriormente, equipamentos de proteção para ouvidos devem ser usados ​​pelos profissionais do laboratório.

Aqueles que trabalham em laboratórios devem prestar atenção à sua postura e ajustá-la conforme necessário.

Os profissionais também devem fazer pausas de rotina enquanto realizam o trabalho de laboratório e se atentar para quais equipamentos de segurança são necessários em cada tipo de operação.

Perigos radioativos

Os laboratórios podem utilizar uma ampla gama de substâncias radioativas, que podem causar grandes prejuízos aos profissionais da área. A radiação pode ser dividida em duas categorias principais – radiação ionizante e não ionizante.

  • A radiação ionizante é geralmente causada pelo uso de isótopos radioativos e pode resultar em queimaduras com exposição severa ou prolongada, levando ao câncer. Certas máquinas, como máquinas de raios x, também produzem radiação ionizante;
  • A radiação não ionizante consiste em radiações ultravioleta, infravermelho, micro-ondas, radiofrequência e radiações de frequência extremamente baixa. Eles podem causar danos aos tecidos causados ​​por exposição descontrolada e prolongada.

Junto com outros diversos equipamentos de segurança já mencionados, jalecos de laboratório devem sempre ser usados ​​por profissionais de laboratório que trabalham com substâncias radioativas.

Os funcionários nunca devem comer, beber, fumar ou aplicar maquiagem em um laboratório radioativo. Eles devem lavar as mãos e antebraços adequadamente após o uso de qualquer material perigoso.

E, claro, como acontece com qualquer profissional que trabalha sozinho, se um trabalhador precisa executar uma tarefa isoladamente, é importante estabelecer um método pelo qual ele se comunicará com a equipe em caso de emergência e também determinar como ele pode obter a ajuda que precisa rapidamente.

Por motivos como os citados ao longo deste conteúdo é que a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, a CIPA, tem um papel fundamental em todos os laboratórios de análises clínicas.

Gostou de saber mais sobre o que é CIPA para laboratórios de análises clínicas? Então não deixe de conferir como escolher um software de fácil implementação para laboratórios!

Gostou do texto? Não gostou? Comente abaixo!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias: